[Resenha] A caminho do altar


Título original: On the way to the wedding
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro

       Gregory Bridgerton sempre acreditou no amor e por isso, ao contrário dos seus amigos, tinha certeza que se casaria por alguém que estivesse realmente apaixonado.  Bem, como não poderia acreditar, afinal de contas seus sete irmãos e os próprios pais haviam se casado dessa maneira. Confiante de que sua amada estaria em qualquer lugar por aí, restava apenas que ele a encontra-se e a reconhece-se no mesmo instante.


       Convidado para um evento pré-temporada, por sua cunhada Kate, a Lady Bridgerton mais nova (Violet nunca deixaria de ser chamada pelo título) o rapaz vai até Aubrey Hall, a casa de campo oficial da família para participar do evento. Afinal de contas, ele é o único solteiro dos irmãos em idade de casar. O problema é que ele saiu tarde de Londres e por isso perdeu a hora do jantar. Agora teria que se contentar com os petiscos que estavam sendo servidos no pátio.

      Enquanto refletia se cumprimentava a cunhada ou comia primeiro, Gregory ficou sem chão. Tudo isso por que ali, bem na sua frente estava ela, a mulher por quem ele esperou a vida inteira e que o faria perder a cabeça. Mas, o problema é que Hermione Watson está apaixonada por outro homem e não está nem um pouco interessada em conhecer ou até mesmo conversar com outros rapazes.

       Porém, nem tudo está perdido para Sr. Bridgerton, já que Lucinda Abernathy considera o amado de sua melhor amiga totalmente inadequado. Onde já se viu a única filha de um aristocrata britânico se casar com um simples secretário?! Pragmática e sem acreditar que o amor possa existir de verdade, Lucy tenta convencer a amiga de todas as maneiras a deixar essa paixonite sem futuro de lado e encontrar um bom partido.


      Ao contrário da maioria das jovens em sua idade Lady Lucinda já sabia desde criança com quem iria se casar. Órfão de pai e mãe desse cedo, a moça passou 10 anos apenas em companhia do tio rabugento. Seu irmão e futuro conde, lorde Fennsworth passou a maior parte da vida nos internatos, voltando para casa apenas nas férias. Então, quando a moça foi estudar na Escola da Srta. Moss, o mundo se abriu e passou a ser preenchido de pessoas que a faziam bem. Foi lá, que ela conheceu Hermione, há cerca de três anos e como ela não possuía nenhuma figura feminina que pudesse lhe oferecer as últimas orientações antes dela debutar na sociedade, foi quase que irrecusável o convite da mãe da amiga.

      Dali a dois meses, Lay Lucinda estaria se casando com lorde Haselby um cavaleiro bastante gentil e que tinha sido escolhido pelo tio para se casar com a jovem. Porém, a garota não esperava que até mesmo seu coração, o mais fechado e prático para sentimentos amorosos, fosse traí-la e se encantaria pelo jovem Sr. Bridgerton.


      Mesmo com uma protagonista totalmente avessa ao romantismo, “A caminho do altar” é na minha opinião o livro mais romântico de toda a série. Aqui temos verdadeiras provas de amor e muito sentimento envolvido, o final que sempre pareceu óbvio a partir da metade do livro se desenrolou de uma forma que remete aos clássicos contos de fadas ou até mesmo aos romances escritos a tempos atrás.

      A diferença de idade entre Gregory e os irmãos sempre me fez pensar nele como um menino minado, que fazia todo tipo de travessuras e saia impune, o que claramente se provou contrário. O fato dele ser criança enquanto Violet se empenha  em casar os outros filhos, o tornou um homem bastante independente e até mais maduro na  hora de tomar suas decisões, principalmente se comparado a Benedict.

      Além idsso, acho que é o primeiro romance que vejo um personagem masculino ser tão sensível  e disposto a expor seus sentimentos, mas principalmente a não escondê-los de ninguém. Outro ponto que foi abordado aqui, e de maneira bem sútil foi a questão da homo sexualidade  e como as famílias reagiam a essa situação.


      Depois do livro de Colin, acho que esse se tornou meu queririnho da séria, pelo fato dos protagonistas (Gregory e Lucy) terem se mostrado tão humanos e próximos à nós. Julia Quinn soube se reinventar e principalmente criar uma narrativa leve, engraçada e nem um pouco repetitiva para o oitavo livro da série, Confesso que havia um certo receio da minha parte por achar que esse livro seria uma mistura de todos os outros, mas fiquei extremamente feliz ao perceber que fui completamente surpreendida e até mesmo envolvida pela história.

       Obrigada por acompanharem meu trabalho. Não se esqueçam de seguir as redes sociais do blog e o canal do Youtube (Clique aqui para se inscrever). Bjoxxx e até a próxima =) 



Share this:

JOIN CONVERSATION

    Blogger Comment

0 comentários :

Postar um comentário